sábado, 21 de setembro de 2013

No Dia da Árvore, temos que falar de preservação!

No Dia da Árvore, acho que a principal palavra que vem à mente é preservação! Elenquei algumas das políticas públicas de arborização que implantamos em Campo Grande, alguns dos trabalhos tendo sido premiados, que podem servir de exemplo para outras cidades e que fizeram de Campo Grande a capital mais arborizada do Brasil!

Realizamos, em 2009, um trabalho de diagnóstico da arborização de Campo Grande, o Plano Diretor de Arborização Urbana (PDAU), estudo inédito que trouxe informações sobre a qualidade das espécies, a frequência das espécies em relação ao porte e a posição em relação à presença de rede de transmissão de energia elétrica, a altura média da vegetação amostrada por espécie e por localização, a frequência de árvores com problemas fitossanitários, a caracterização e classificação dos problemas, entre outros. 

O estudo feito em 2009 identificou que existem cerca de 153 mil árvores na área urbana de Campo Grande, das quais  apenas 10% apresentam alguma irregularidade (problemas fitossanitários ou espécie inadequada para o local), número baixo tendo em vista que nunca havia sido feito, antes da nossa administração, um programa de mapeamento e manutenção como o que executamos. 

Outras ações

A partir de 2005, quando assumi a Prefeitura, antes mesmo da conclusão do Plano Diretor, teve início o trabalho de arborização, de manutenção e tratamento nas árvores da Capital, que englobou, entre outros:

-A construção do Viveiro Flora do Cerrado, com capacidade para produzir um milhão de mudas ao ano, para suprir a demanda por novas árvores em obras públicas e substituir as que eventualmente fossem removidas (hoje, o Viveiro produz árvores próprias para serem plantadas na cidade, que não vão causar problemas futuros, como quebra de calçadas e problemas na rede elétrica, e doa árvores frutíferas para a população plantar nos quintais de suas casas). 

-A arborização de calçadas com área drenante, para que não houvesse a rachadura das mesmas (Projeto Via Verde); 

-Arborização dos canteiros centrais; 

-Arborização dos fundos de vale (rearborizamos os Parques Lineares, transformando-os em corredores ecológicos e diminuindo o impacto causado pela urbanização)

-Arborização de áreas institucionais da Prefeitura, como escolas e Centros de Educação Infantil; 

-Arborização de Praças e Parques;

-A implantação de um serviço para arrancar os tocos que sobraram das retiradas das árvores, visando inclusive a acessibilidade nos passeios públicos;

-Regulamentou-se a lei que instituía o Plano Diretor de Arborização Urbana (PDAU);

-Trabalho de controle e regulamentação de podas;

-Implantação do inventário florístico para que, quem precisasse remover árvores, tivesse que fazer a compensação arbórea;

Como se vê, a preservação das árvores é um trabalho contínuo e em longo prazo, que era realizado pela Brigada Verde (desativada pela atual administração), composta por mais de 30 homens, que realizavam a poda, o tratamento, a manutenção e a fiscalização arbórea de Campo Grande. Este trabalho intenso fez com que Campo Grande se tornasse a capital mais arborizada do Brasil, com 96,3% das residências possuindo árvores. 

É importante ressaltar que, além do tratamento das árvores com problemas, sempre foi feita a manutenção preventiva.

O que me entristece hoje é que tudo o que implantamos e fazíamos visando a preservação não está mais sendo feito, tendo em vista que a atual administração tem adotado a prática de remover a árvore ao invés de tratá-la - método mais simples e barato, porém que não preserva. Se tivéssemos agido do modo como a Prefeitura vem agindo, removendo ao invés de tratar, as árvores centenárias, por exemplo, símbolos campo-grandenses, teriam sido removidas. Um bom exemplo de tratamento que deu certo é o da árvore localizada no cruzamento da Avenida Afonso Pena com Rua Padre João Crippa (foto abaixo.)


Tratando as árvores centenárias

Preservar sempre foi a prioridade.

Confiram algumas matérias sobre as nossas ações e também o Plano Diretor de Arborização Urbana:



-Revitalização das Árvores Centenárias
http://www.pmcg.ms.gov.br/meioambiente/canaisTexto?id_can=4003




Plantando árvores com as crianças na praça do Tayamã Park

Colocando concreto ecológico para tratar da árvore do cruzamento da Av. Afonso Pena com Rua Padre João Crippa.

Traçado de via desviado para preservar a árvore

Ipê, árvore símbolo de Campo Grande!

Nenhum comentário: